É normal comer demais de vez em quando! Aí vem o clássico “ontem teve compulsão” e a palavra se banalizou. É importante entender que compulsão é diferente de exagero.

E, como tratar a compulsão alimentar?

Mas antes, vamos entender o que é compulsão alimentar?

Para saber como combatê-la, antes é importante entender de fato o que é compulsão alimentar.

Bem diferente de comer demais aos finais de semana ou em uma festa, a compulsão por comida se caracteriza pela ingestão de uma grande quantidade de alimentos em um curto período de tempo (até 2 horas) mesmo sem fome, com a sensação de perda de controle e muitas vezes comendo sozinho (escondido) por vergonha, até se sentir desconfortavelmente cheio.

Engana-se quem pensa que é falta de “foco, força e fé”, fraqueza ou falta de disciplina.

Na verdade, a compulsão alimentar é um distúrbio do cérebro que precisa de tratamento com médico e pode ter como consequências um risco de ganhar peso em excesso e diminuir a sua autoestima, além de um profundo sentimento de culpa a cada novo ciclo.

O excesso de privações gerado pelas dietas restritivas é um dos principais fatores que aumentam o risco de se desenvolver a compulsão alimentar, devido ao aumento de desejo por comidas que não poderiam comer, gerando frustração, estresse e depressão.

Problemas com a aparência (imagem corporal) e dificuldade de lidar com questões emocionais são alguns dos gatilhos que também podem desencadear o quadro de compulsão, não conseguindo mais comer de forma tranquila, podendo até desenvolver transtornos alimentares.

Agora que você já sabe o que é, vamos ver algumas dicas de como tratar a compulsão alimentar? Primeiro procure um profissional de saúde especializado para avaliar, quem faz o diagnóstico é um médico psiquiatra. O tratamento é multidisciplinar com médico, psicólogo e nutricionista.

Aprenda como tratar a compulsão alimentar: entender ela é o primeiro passo

Separei algumas dicas para tratar a compulsão alimentar, mas lembre-se de que é essencial conversar com um médico para ter um diagnóstico e tratamento preciso.

1- Abandone as dietas restritivas

Quando você restringe alimentos para emagrecer (aqui não estamos falando das restrições devidas a uma condição médica como alergia ou doença celíaca, por exemplo), o seu corpo responde aumentando o seu apetite para que você fique mais interessado em comer.

Ele faz isso por proteção e sobrevivência.

Mas, consequentemente, aumenta a sua obsessão pelos alimentos “proibidos” e o desejo de comê-los como “recompensa”, o que potencializa o risco de ter compulsões. Por isso, o primeiro passo para tratar a compulsão alimentar é não fazer dietas restritivas. Ou seja COMER!

2- Coma melhor, não menos

Muitas pessoas acham que para combater a compulsão alimentar é necessário controlar o que come e fazer restrições. Mas comer bem não é restringir quantidades, é ter a liberdade de comer de tudo, sem culpa, sem restrições, com prazer, escutando as suas emoções e a sua fome.

Faça as pazes com seu corpo, confie nele e o trate com carinho. Coma regularmente, de preferência comida nas refeições principais, para ter certeza que não está com fome.

Arrisque-se na cozinha, descubra novos sabores, faça comidas caseiras com temperos naturais, prove alimentos diferentes, tenha prazer nas refeições… Vai que ainda descobre um novo talento?

Alimentar-se com prazer, qualidade e respeitando o seu corpo, é uma ótima forma de diminuir os episódios de descontrole no caminho do tratar a compulsão alimentar.

3- Pergunta-se: Estou com fome?

Antes de se alimentar, avalie se realmente está com fome. Verifique de fato o que está sentindo. Escute o seu corpo e os sinais que ele te envia, dentre eles, os sinais de fome e saciedade.

Faça um diário alimentar para te ajudar nisso. Coloque nele os alimentos que ingere, horários e o que está sentindo: se é fome, angústia, tristeza, ansiedade, estresse… isso vai te auxiliar a identificar emoções para te ajudar a lidar com elas sem recorrer à comida e assim, respeitando a fome e assumindo as emoções você pode ter menos episódios de descontrole no caminho de tratar a compulsão alimentar.

4- Alimente-se com atenção plena (mindful eating)

Estar presente no momento da refeição e concentrar a sua atenção no momento de se alimentar reduz a impulsividade ao comer.

Essa impulsividade pode acontecer pela falta de planejamento, e contribuir para que se coma de maneira rápida e desatenta as sensações de fome e saciedade, sinais essenciais para regulação do apetite.

Tente sempre usar essas técnicas:

  • Escolha um ambiente tranquilo, coma devagar, mastigue bem os alimentos, explore novos sabores e sinta prazer ao se alimentar.
  • A atenção deve ser focada apenas ao que a comida proporciona, sem julgamentos do que ou quanto está se comendo.
  • Curta seu momento, sem ansiedade, sem culpa e atenta ao seu corpo! Saia da mesa satisfeito, você verá sua tranquilidade aumentar frente a comida.

5- Tenha horários para comer e procure segui-los

Jejum prolongado (ou comer menos do que o necessário) é um dos principais desencadeantes da compulsão.

Para evitar isso, crie uma rotina de horários para as refeições principais (café da manhã, almoço, café da tarde e jantar) e, caso precise de mais, faça outras refeições nos intervalos com alimentos de qualidade, assim, evita-se chegar ao momento da refeição “morrendo” de fome, podendo-se comer mais do que o necessário.

Essa nova rotina pode ajudar a fortalecer sua tranquilidade no caminho de tratar a compulsão alimentar.

6- Organize sua semana

Um bom planejamento te auxilia a organizar as suas refeições da semana, investindo em qualidade, e assim diminuindo o risco de comer alimentos não planejados.

Faça uma listinha de compras, selecione alimentos que gosta e capriche na qualidade e variedade.

Esta organização é muito benéfica para estar com mais opções quando bate uma fome e diminuir o descontrole no caminho de tratar a compulsão alimentar.

7- Faça atividades divertidas

Descobrir novas atividades que te dê prazer, sem estar relacionado à comida é uma ótima forma de diminuir a busca de alimentos como recompensa quando está no caminho de tratar a compulsão alimentar e também reduzir a ansiedade.

Busque atividades variadas que podem ser tão simples como sair com o cachorro. Você pode descobrir um talento (dança, pintura, escrita) ou ainda, ir atrás de atividades relaxantes como yoga ou meditação. Avalie o que você gostaria de aprender e agende uma aula teste. Além de se divertir e relaxar, a sensação de bem estar será maravilhosa!

8- Busque auxílio profissional

Como falei no começo do artigo: é muito importante buscar ajuda especializada, pois é muito difícil tratar a compulsão alimentar sozinho.

É um distúrbio do cérebro e nada melhor do que um profissional para te ajudar a se tratar e se reconectar com seu corpo e melhorar a sua relação com a comida.

Como vimos, tratar a compulsão alimentar é bem complexo e envolve algumas mudanças de questões comportamentais que necessitam da adesão de um tratamento com um profissional especializado para melhorar a sua relação com a comida e com seu corpo.

E lembre-se ter compulsão não é ser fraco, mas sim ter uma perda de controle fora da sua força de vontade!

Bon appétit!

Gostou das 8 dicas de como tratar a compulsão alimentar? Veja também:

Se você quer mudar a forma como se relaciona com a comida, te aconselho a conhecer meu programa online Efeito Sophie no Comer Emocional. Ele foi pensado para te ajudar a saber identificar a fome emocional!

São duas semanas de vídeo aulas com dicas, ferramentas e práticas para explicar de onde vem a fome emocional, identificar os seus gatilhos e refletir sobre os seus comportamentos. Quer saber mais sobre esse tema? Veja o vídeo abaixo:

Se identificou? Conheça o programa online Efeito Sophie no Comer Emocional e vamos juntos nessa!