Você quer emagrecer? Não? Então me diga: você pelo menos conhece alguém que quer emagrecer, certo? Sua mãe, seu irmão, amigo, primo, vizinho… vivemos em uma era em que todo mundo acha que está com excesso de peso.

A obesidade é sem sombra de dúvidas um problema crescente no mundo. Mas é preciso ter discernimento para saber diferenciar excesso de peso de um padrão de beleza inatingível e incompatível com o biotipo da maior parte da população brasileira.

Digo isso porque diariamente me deparo com pessoas que se sentem em excesso de peso por estarem, às vezes, dois, três quilos a mais do que há alguns anos. Este tipo de variação é normal, e, ao longo da vida, diversas alterações metabólicas podem contribuir para certo ganho de peso. Quem faz o diagnóstico é o profissional de saúde!

Vamos falar de saúde, não de vaidade.

Excesso de peso identificado: que atitude tomar?

A primeira recomendação que faço questão de reforçar é: ao sentir que precisa de ajuda para emagrecer, procure um especialista. Não adianta tentar combater o excesso de peso mergulhando em dietas da moda ou em “milagres” que “deram certo” para determinada atriz ou modelo, ou ainda por alguém do seu círculo social. Isso ao longo tempo pode ocasionar ganho de peso, e não o contrário.

Cada corpo é um corpo e só um profissional da saúde poderá avaliar porque engordou e dizer o que é melhor para você. Não existe uma alimentação que sirva para todo mundo, porque cada pessoa tem uma história, um metabolismo e uma razão diferente para apresentar sobrepeso. Dito isso, posso oferecer algumas dicas de bem-estar para te ajudar neste processo.

Com base em anos de experiência clínica, afirmo com segurança que a única saída para o emagrecimento saudável é uma transformação do seu estilo de vida e não somente da sua alimentação. O comportamento é tão importante quanto o nutriente!

O segredo não é restrição/dieta, mas procurar comer melhor. Conheça o Efeito Sophie!

Resolva o excesso de peso com uma transformação sustentável!

Para emagrecer e não voltar a engordar, é preciso que o seu corpo esteja com saúde, bem nutrido e você não sinta que o ato de comer é um problema, ou seja está fazendo as pazes com a comida. Já notou que quem vive de dieta está sempre preocupado com o que vai comer, com o que gostaria de comer mas “não pode”, com a quantidade de calorias de cada folha de alface a mais no prato …?!? Ninguém é obrigado a passar este tipo de estresse só porque apresenta excesso de peso.

Então vamos a algumas dicas simples que podem ser integradas ao seu dia a dia de forma gradual, tranquila, até que virem hábitos. E mudança de hábito é sinônimo de transformação sustentável, ou seja, para a vida! E lembre procure ajuda se você acha que isso é impossível.

Evite a restrição
Gosto de reforçar isso sempre – se você priva o seu corpo de comer, ele vai entender que algo não está bem e vai enviar ao seu cérebro a seguinte mensagem: “estamos em escassez e precisamos armazenar gordura”. Sim, a gordura é um mecanismo de defesa do organismo.

Busque moderação
Procure satisfazer suas vontades sem exageros. Ao sair para comer em uma pizzaria, por exemplo, não há necessidade de comer quatro pedaços em menos de dez minutos. Se comer com calma, sentindo o sabor de cada um dos ingredientes, aproveitando o momento e a companhia, mastigando devagar, dando tempo para a saciedade chegar, vai notar que se sentirá satisfeito com menos pedaços. Se você se permite comer não fará despedida do alimento.

Na dúvida sobre o que comer? Coma alimentos frescos!
Procure priorizar os alimentos in natura, ou seja, os alimentos verdadeiros que você encontra na feira e diminuir o consumo dos ultraprocessados (alimentos industrializados e empacotados). A alimentação diversificada e rica em frutas, legumes e verduras é uma das recomendações mais antigas da nutrição, e não à toa: a natureza nos fornece tudo o que precisamos em termos de nutrientes e, com isso, a sensação de plenitude aumenta. O tradicional prato brasileiro com arroz, feijão, uma carne e legumes é excelente do ponto de vista nutricional!

Dê tempo ao tempo
Todas as dicas acima exigem paciência e muita prática: aos poucos, você constrói uma relação diferente com o ato de comer, que deixa de ser um problema para ser um momento de prazer. Adotando esse tipo de mudança, você não precisará nunca mais recorrer às dietas restritivas, livrando o corpo de longos períodos de privação ou do extremo oposto: de excessos alimentares carregados de culpa.

Seu corpo se sentirá grato e mais tranquilo por esse novo “eu” dotado de autoconfiança, consciência e bem-estar.

Bon appétit!

Veja mais:

Que tal conhecer meu método Efeito Sophie, que ensina a transformar sua relação com a comida e a voltar a escutar os sinais do seu corpo? São seis semanas com vídeos e materiais que vão explicar sobre hábitos alimentares, e como recuperar o prazer de comer. Saiba mais!