Hoje em dia, a definição de uma alimentação normal é confusa. Ninguém parece mais saber o que comer, se faz bem ou mal, e parece que precisa ser Ph.D em Nutrição para saber comer corretamente.


Já que tenho o diploma, quero apresentar minha visão do que é comer bem, quer dizer comer normal: sem neura, respeitando seu corpo e alma e, por consequência, sua saúde!

Hoje o comer “saudável” ou “reeducação alimentar” são sinônimos de “dieta”, “restrição”, “força de vontade” e as mídias veiculam informações de alimentos bons ou ruins que você deve ou não deve comer, assim como dicas de autodisciplina para conseguir um corpo perfeito. Cada um fica com a sensação que nunca faz o suficiente e que deveria fazer restrições, ou evitar sobremesa, ou pior, contar calorias para saber quando parar de comer. Tudo isso leva a muita culpa na hora de comer e estudos mostram que comer com culpa faz comer mais e não menos!

É importante fazer as pazes com a comida e com seu corpo, sem fazer restrições que podem aumentar seu apetite ou seja a sua fome e a sua vontade de comer. Vamos parar com essa culpa, com essa fiscalização permanente e sempre mais rígida sobre nosso ato de comer?

Preciso lembrar aqui que, antes de tudo, comer é nossa fonte de energia, equilíbrio e prazer de viver!

Não sou perfeita e não sou um modelo, mas estou com saúde e com uma boa dose de consciência do meu corpo e das minhas sensações de fome, saciedade e vontades. Eu confio em mim, confio no meu corpo, respeitando ele e cuidando dele como uma joia. Sou dona do meu corpo e ninguém deveria ter direito de me dar palpite sobre ele, somente se sinto um problema de saúde e aí vou consultar um profissional de saúde.

Eu amo comer. Eu gosto da minha comida. Eu sempre gostei. Ter apetite e fome é saudável, e não é isso que faz engordar! O que faz engordar é o não respeito da sua fome e do seu apetite (vontades). Sou orgulhosa por comer bem e sem restrição e não o contrário! Deixe-me em paz se quiser comer um hambúrguer com uma coca cola (não zero viu!) com meu filho e ter um momento de pura felicidade conversando sobre a vida, mesmo sendo nutricionista! Quando faço mais atividade tenho mais apetite e não o contrario. Não tenho dúvidas quando quero repetir, mesmo se comer menos é mais socialmente aceitável. A fome tempera a vida! Outro dia fiquei triste de chegar ao restaurante com amigos queridos sem fome porque eu tinha exagerado num lanche da tarde que me lembrou da minha infância. Como celebrar um momento bom num lugar que oferece comida gostosa se está sem fome? Perde a graça!

Eu como alimentos que me fazem sentir bem. Eu amo saladas coloridas. Eu gosto de um bife de vez em quando. Risotos e pastas me deixam feliz. A pizza compartilhada é uma delicia. Essas coisas me fazem sentir bem, então vou comê-las. Agora não gosto de tudo e não vou comer algo que não gosto, mesmo se uma pesquisa diz que é bom para a saúde ou o peso. Estou pensando em suco verde de manhã com couve, estou pensando em omelete sem gemas e estou pensando em castanha do Pará. O chocolate faz parte do meu cotidiano, adoro o meio amargo e meu paladar não é muito doce. Prefiro nem provar um chocolate ao leite. Sorte ou hábito?

Eu como o que eu realmente quero. O que eu quero comer hoje pode ser diferente amanhã. O que eu quero no inverno pode ser diferente do que eu procuro no verão. Que bom que eu possa escolher, que sorte eu tenho! Eu gosto de comida, como de maneira variada e nas refeições principais, não preciso me preocupar demais. Não tenho que comer as mesmas coisas a partir de uma lista de “alimentos bons”, não acredito em alimento bons ou ruins. Eu respondo as minhas vontades sempre com calma e uma porção pequena já me satisfaz, sem qualquer culpa, vergonha, remorso ou pensamentos de calorias. As vezes eu exagero, especialmente em situações sociais como festas ou jantares com amigos, mas sem culpa. Só cuido de respeitar minha fome depois e ela provavelmente demore para voltar!

Aqui uma definição da nutricionista americana Ellyn Satter, um especialista em comer e alimentação.

O que é comer normal?

* Comer normal é ir para a mesa com fome e comer até que você esteja satisfeito. É ser capaz de escolher o alimento que você gosta, comê-lo e realmente obter o suficiente dele, não apenas parar de comer porque você acha que deveria.

* Comer normal é ser capaz de pensar um pouco sobre a sua seleção de alimentos de modo a obter alimentos nutritivos, mas não ser tão cauteloso e restritivo que você perca a comida agradável.

* Comer normal é dar a si mesmo permissão para comer, as vezes, porque está feliz, triste ou entediado, ou apenas porque o faz se sentir bem.

* Comer normal é principalmente ter três refeições por dia, ou quatro ou cinco, ou pode ser a escolha de petiscar ao longo do caminho. É deixar alguns biscoitos no prato porque você sabe que pode ter alguns novamente amanhã, ou é comer mais agora porque o gosto é tão maravilhoso.

* Comer normal é comer demais, às vezes, se sentindo muito cheio e desconfortável. E pode ser não comer o suficiente, às vezes, desejando ter tido mais.

* Comer normal é confiar no corpo para compensar os seus erros de alimentação.

* Comer normal leva um pouco do seu tempo e da sua atenção, mas mantém o seu lugar como apenas uma área importante da sua vida.

Em suma, comer normal é flexível. Ela varia em resposta a sua fome, sua agenda, sua proximidade com a comida e os seus sentimentos.” Ellyn Satter , 2009

Eu amo essa definição.

Por que comer não poderia ser flexível e divertido?

Alimentação normal não é perfeita e não deveria ser fiscalizada sempre. Reflita sobre suas vontades e confie no seu corpo. Você é o dono da sua fome e das suas vontades. Ninguém melhor do que você pode saber o que você precisa.

Se você pensa nos seus avôs ou talvez bisavós eles não tinham esta relação coma comida e o corpo? Claro que se você tem uma condição de saúde que faz com que precise seguir uma alimentação especifica, evitar ou diminuir alguns alimentos, tem que sempre conferir com seu profissional de saúde.

Bon appétit!