Quer saber um assunto que eu não recomendo para nenhum paciente na puberdade, ou para pais que tenham filhos nessa faixa etária? Dietas. A obesidade na adolescência é um problema real e não podemos encarar isso como um monstro a ser combatido com restrição alimentar, porque não é somente um problema com a balança, tem que entender por que engordou.

O que proponho é: após uma avaliação pelo profissional de saúde, que vai determinar se tem uma causa hormonal ou metabólica, precisamos ajudar o jovem a desenvolver uma melhor aceitação corporal, o fim do bullying (esse sim devemos lutar contra!) e a construção de uma relação saudável com a comida, que não deve ser cercada por cobranças. Ajudar seu filho a ter uma relação tranquila com a comida e o corpo é o melhor presente que você pode lhe dar para a vida inteira!

Assim como o primeiro ano de vida de uma criança – quando o bebê passa a triplicar seu peso, em um período de apenas 12 meses – a adolescência é uma fase de intensa transformação.

São hormônios, emoções, crescimento desordenado do corpo… E muita, muita fome. E também é um momento de individualização, em que alguns adolescentes decidem quebrar padrões familiares, questionar e impor suas próprias opiniões.

Tudo isso é aceitável! O que não é bacana, nesta fase da vida, é entrar em conflito com a própria biologia tentando buscar um padrão corporal que nem sempre é possível de ser alcançado. Infelizmente, essa guerra contra o corpo pode nessa época de transformação provocar um desequilíbrio, que pode se expressar com um ganho de peso maior ou impulsionar um transtorno alimentar.

Adolescência é a hora certa para fazer as pazes com a comida!

Estudos mostram que a obesidade na adolescência tem grandes chances de migrar para a vida adulta.

Mas prefiro reforçar que este é um dos momentos mais propícios para se sair da obesidade. Isso porque, além de ser uma fase de crescimento físico, a adolescência também é um período em que solidificamos alguns dos nossos valores.

Então sugiro deixar as dietas malucas de lado e passar a ouvir mais os sinais do corpo. A fome existe, e ela é grande. Mas isso se resolve comendo melhor! Caprichando na qualidade do que come e também do COMO está comendo. Se a pessoa come na hora que tem vontade, mas de forma consciente, devagar, mastigando bem, sentindo o sabor das coisas, provavelmente vai se sentir saciado e não vai ter vontade de repetir muitas vezes.

Mindful eating ou comer de maneira consciente: esta sim é uma excelente ferramenta de prevenção da obesidade na adolescência. Mais eficaz do que qualquer dieta!

O segredo não é restrição/dieta, mas procurar comer melhor. Conheça o Efeito Sophie!

Alô, pais!

Vejo muitos pais e mães obcecados com a imagem corporal do filho adolescente. Eu digo que este tipo de preocupação não traz nada de concreto, além de um descontentamento geral da família.

As proibições, inclusive, podem ser a porta de entrada para a obesidade na adolescência e, pior do que isso, para um um transtorno alimentar. Envergonhado, o adolescente passa a comer escondido as coisas que tem vontade, para não desapontar os pais.

Minha dica para reverter este quadro é justamente tirar o foco do peso do adolescente e valorizar suas outras características! Ele é bom em matemática? Sabe consertar coisas como ninguém? Tem habilidades culinárias, tem talento para o canto, arrasa nas artes marciais?

A vida é maior do que um número mostrado na balança. A partir do momento que o adolescente e seus pais tiram o foco deste padrão corporal imposto, e passam a fortalecer a autoestima por outros méritos, essa relação doentia com a comida passa a ser mais tranquila.

Rotina previne obesidade na adolescência

É preciso aceitar que a puberdade é um momento de ganho de peso e crescimento. Isso é natural! Agora, para prevenir o ganho excessivo de quilos, é importante que todos em casa estejam empenhados nessa causa.

Uma dica que eu sempre dou é: estabeleçam rotina. O poder do hábito é algo incrível. Um adolescente que tem horário para fazer as refeições principais (café da manhã, almoço, lanche da tarde e jantar) apresenta uma chance menor de se tornar obeso.

Ele não vai sentir tanta fome para beliscar ao longo do dia se comer frutas, pães, arroz, feijão, carne, legumes, folhas, ou seja, comida de verdade. Cabe aos pais acompanhar este momento e propiciar um ambiente saudável dentro de casa.

A mãe e o pai não gostam de cozinhar? Que tal testar algumas receitas rápidas, com poucos ingredientes? Não é preciso ser nenhum chef de cozinha para fazer coisas simples e apetitosas. E o adolescente também pode descobrir que tem dotes culinários, veja que boa oportunidade de engajar todo mundo nessa causa! Coloquei muitas receitas minhas fáceis, rápidas e gostosas no meu livro “O peso das dietas”.

Fora do núcleo familiar, vale também respeitar a vida social do adolescente. Ele pode sim comer comidas de festa, e até optar por um fast food eventualmente! A privação destes eventos faz com que ele fique triste ou coma com culpa quando sai com os amigos e isso atrapalha o processo de uma construção tranquila com a comida.

Menos cobrança, mais aceitação. Este é o melhor caminho para a prevenção da obesidade na adolescência.

Leia também:

Que tal conhecer meu método Efeito Sophie, que ensina a transformar sua relação com a comida e a voltar a escutar os sinais do seu corpo? São seis semanas com vídeos e materiais que vão explicar sobre hábitos alimentares, e como recuperar o prazer de comer. Saiba mais!