[addthis tool="addthis_inline_share_toolbox_tjqy"]

Grelina - Entenda

Grelina: será possível controlar o tal do hormônio da fome?

O metabolismo humano é algo muito belo e complexo: mesmo quando estamos dormindo, nosso corpo trabalha na produção de diversas substâncias importantes para nossas funções vitais. A grelina, conhecida como o “hormônio da fome”, é apenas uma parte deste incrível sistema.

Muito se fala sobre o controle deste hormônio: se a grelina é a responsável por sentirmos fome, seria possível comandá-la, no sentido de combater ou prevenir a obesidade? Essa é uma pergunta interessante!

Infelizmente, a resposta não é simples assim, mas fique tranquilo que até o final deste artigo vou mostrar para você que alguns hábitos simples ajudam muito o nosso organismo a manter a produção dos nossos hormônios em equilíbrio.

Grelina e leptina: o que são?

A produção de hormônios do nosso corpo é intensa, e vários deles interferem na nossa vontade de comer e no nosso peso. Hoje vou falar de dois grandes responsáveis pelos sinais de fome e saciedade. A grelina, que é produzida principalmente no nosso estômago, é quem manda para o nosso cérebro o “aviso” de que precisamos comer.

Ou seja: quando o estômago fica vazio a secreção deste hormônio é aumentada, e então sentimos fome. A partir do momento em que comemos, essa secreção diminui. E então teremos uma ação mais acentuada da leptina, hormônio que tem como um de seus principais papéis o controle da ingestão alimentar.

É ela que manda para o cérebro um dos sinais de saciedade. Em outra palavras, avisa que nossos estoques já estão carregados! Ou seja, você já não precisa mais de comida.

O segredo não é restrição/dieta, mas procurar comer melhor. Conheça o Efeito Sophie!

Controle a grelina… comendo!

Não existe um método para controlar a grelina e a leptina: não “mandamos” no nosso metabolismo. Mas é fato que a privação de comida dá uma certa “bagunçada” na produção destes hormônios.

As dietas restritivas são um dos fatores que mais desregulam a produção hormonal do controle do apetite: o corpo fica tentando se a adaptar à escassez de alimentos, uma vez que dieta é sinônimo de privação!

Isso significa que, para manter o corpo produzindo os níveis ideiais de grelina e leptina, a principal ferramenta é comer! Isso mesmo, comer quando se tem fome, parar quando se sentir saciado.

Ficar longos períodos sem se alimentar, ou dar para o corpo uma quantidade menor de calorias do que ele realmente necessita confunde o cérebro, e a produção destes dois importantes hormônios e de diversos outros é prejudicada. Afinal, quanto mais fazemos dieta, mais o apetite aumenta, não é mesmo?

Diante dessa privação calórica, o corpo fica em estado de defesa, isso aumenta sua fome e causa efeitos negativos imediatos e também a longo prazo – como o famoso efeito sanfona e a perda do controle diante da comida.

Controle a grelina dormindo melhor!

São muitos os fatores que interferem na produção dos nossos hormônios. Um deles, e bastante significativo, é o ato de dormir!

Vários estudos associam a qualidade do sono com a regulação hormonal, porque muito dos hormônios são produzidos também enquanto estamos dormindo, inclusive a grelina e a leptina. Se você dorme mal, provavelmente tem essa produção prejudicada e pode sentir mais fome por conta disso ao longo do dia.

Saiba que a ciência está de olho nisso! Um estudo de 2004, da National Academy of Sciences of the United States of America, mostrou que dormir pouco e fazer dieta aumentam a secreção de grelina e o acúmulo de gordura.

Resumindo: não há como “culpar” um único fator pelo ganho de peso. Ele é resultado de uma série de condições metabólicas e também do estilo de vida que levamos.

Você pode, sim, ajudar seu metabolismo a funcionar bem com atitudes simples, que servem para qualquer pessoa: sendo mais ativo no seu dia a dia, tentando ter um bom sono, se alimentando com variedade e qualidade (mais alimentos in natura, menos ultraprocessados).

E, sobretudo, dando comida para o seu corpo quando ele pede! Passando a ouvir também quando ele está saciado, evitando comer por pura gula.

Saber como seu organismo está metabolizando os hormônios é algo muito complexo. Confie em mim: é bem mais fácil tentar mudar a relação com a comida e passar a comer melhor, não menos!

Bon appétit!

Veja também:

Que tal conhecer meu método Efeito Sophie, que ensina a transformar sua relação com a comida e a voltar a escutar os sinais do seu corpo? São seis semanas com vídeos e materiais que vão explicar sobre hábitos alimentares, e como recuperar o prazer de comer. Saiba mais!

  • Péssima explicação.
    Dietas restritivas simplesmente não exolicam coisa nenhuma. E não fala que um dos grandes vilões pode ser o alto consumo de carboidratos q estimula a secreção de insulina e diminui a liberação de leptina nos deixando sempre com fome.

  • Rebeca a grande verdade é que não existe uma explicação única, pois cada pessoa tem um sistema de metabolismo e genética diferentes. Por essa razão que afirmar fica complicado. Tenho uma filha que é portadora da Síndrome de Prazer Willi, com isso aprendi muito em relação a grelina e a leptina que de uma forma ou de outra e por questões genéticas isso foge da normalidade. Resumindo somos diferentes e reagimos de formas diferentes. Lembre-se que o melhor a fazer é encontrar um equilíbrio e melhorar a qualidade de vida individualmente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *