[addthis tool="addthis_inline_share_toolbox_tjqy"]

dieta do jejum intermitente faz mal?

Dieta do jejum intermitente faz mal? Tire suas dúvidas

Nosso corpo precisa de energia para continuar funcionando e desempenhando nossas funções vitais. Diante disso, é comum se perguntar se a dieta do jejum intermitente faz mal e se ela pode trazer riscos à nossa saúde.

Afinal, como se manter em pé depois de tantas horas de privação?

Realmente, é uma pergunta que a ciência vem se desdobrando para responder. Especialmente depois que a curiosidade sobre o tema aumentou.

As pessoas ficam empolgadas ao ver tantas personalidades falando que conseguiram emagrecer dessa forma, e, muitas vezes, apostam no método sem nem mesmo se perguntar se a dieta do jejum intermitente faz mal. Então, de cara, já antecipo: sim, pode fazer mal.

O que as pesquisas dizem sobre a dieta do jejum intermitente: faz mal ou não?

Para começar, vamos falar um pouco de ciência. Os estudos sobre jejum intermitente ainda são bastantes divergentes quando o assunto é emagrecimento.

Enquanto alguns indicam sucesso, outros mostram que esse tipo de estratégia pode até aumentar o risco de diabetes e de ganhar peso.

Mas por que as pesquisam são tão complicadas? Afinal, a dieta do jejum intermitente faz mal ou não? Na verdade, o problema não está nos estudos. Mas sim na forma como seus resultados são divulgados!

Muitas vezes, as conclusões de uma análise feita com um grupo de pessoas super pequeno, em condições específicas, são propagados como se pudessem refletir na realidade de todas as pessoas. Mas não é tão simples assim!

Soma-se a isso o fato de que boa parte destes estudos nem mesmo são feitos com humanos, mas sim, com ratos dentro de gaiolas.

Você, no seu dia-a-dia, cuidando da casa, trabalhando, pegando trânsito e indo pra academia, tem uma meio ambiente bem diferente disso, concorda?

Fora o fato de que estamos cercados por comida em todos os lugares. Isso complica um pouco as coisas para quem se submete a uma dieta restritiva com a do jejum intermitente.

Supomos que você adote o jejum por algumas horas por dia, ou por alguns dias da semana. Está no trabalho, com fome, no meio da tarde, e sabe que não pode comer, pois está de jejum! Como vai fazer para se concentrar nas suas atividades e não ficar só pensando em comida?

Pior ainda se aparecer aquele colega com um pedaço de bolo, um pão de queijo, um biscoitinho, um capuccino. Coisas que deveriam fazer parte de uma rotina alimentar normal, certo? Quem está em paz com a comida vive de maneira mais tranquila. Não precisa ficar tantas horas sem comer, ou se submeter a dietas malucas.

Alguns estudos de fato mostram que a dieta do jejum intermitente faz mal, outros, que faz bem. Mas geralmente são estudos que se referem a outros benefícios à saúde. Os que falam sobre emagrecimento são pequenos e ainda não podem ser assumidos como diretrizes concretas.

E, reforço que se o método for adotado por conta própria, pode sim trazer problemas para a saúde. Dor de cabeça, tontura, mal estar, irritação, mau humor, falta de atenção e dificuldade de concentração são alguns dos sintomas mais comuns quando ficamos tanto tempo sem comer.

No longo prazo, existe também o risco de ganhar peso: quem fica muito tempo na privação tende a compensar muito depois em episódios de exagero. Então, cuidado! Que tal buscar o caminho do meio ao invés do radicalismo?

A dieta do jejum intermitente faz mal para a mente?

Falar de jejum intermitente não é algo tão simples para uma nutricionista como eu, que não recomenda dietas restritivas e que prefere uma abordagem focada na mudança de hábitos alimentares e do estilo de vida, respeitando sempre nosso corpo e nossa saúde.

Por isso gostaria também de focar no ponto de vista do seu comportamento alimentar, da sua relação com a comida.

A dieta do jejum intermitente faz mal se você passar a ficar extremamente preocupado com regras e horários e esquecer de ouvir o principal – as suas próprias necessidades!

Muita gente coloca tantas imposições a si mesmo que acaba deixando de ouvir os sinais de fome e saciedade. Então, não se encante com soluções aparentemente fáceis e volte a prestar atenção no seu corpo.

Esse assunto é tão complexo, que até virou um vídeo no meu canal para conversarmos mais sobre isso. Dê o play abaixo:

Repensar a sua relação com a comida é a chave para chegar ao seu peso saudável. E reafirmo: peso saudável e não ideal, porque não existe um número na balança ideal para todas as pessoas. Esse tipo de reflexão é o que eu coloco em discussão no meu programa online Efeito Sophie.

Eu estudo a nutrição e a neurociência do comportamento alimentar a mais de 20 anos e é muito comum ver pessoas que vêem a comida como uma vilã. E não precisa ser assim! Precisamos ter prazer em comer, e não tornar esse ato em algo estressante e que nos dê culpa.

Por isso, reuni alguns ensinamentos em seis semanas de vídeo aulas, materiais e atividades online para te ajudar a rever essa relação. Assim, você seguirá em um caminho mais tranquilo, no seu ritmo, com resultados graduais, mas duradouros.

Vamos juntos nesse processo? Comece agora mesmo o meu programa online Efeito Sophie, te espero lá!

Agora, se você ainda está perdido pensando se a dieta do jejum intermitente faz mal, saiba que o que faz mal é a banalização desse ou de qualquer outro método vendido como “milagroso”. Não existe emagrecimento rápido sem consequências negativas para sua saúde.

Procure fazer as refeições principais com qualidade e variedade, priorizando a comida caseira. Essa é a melhor forma de manter seu apetite sob controle sem ter que submeter a tanta privação.

Bon appétit!

Agora que você já sabe se a dieta do jejum intermitente faz mal, veja também esses outros artigos que separei para você:

E você, comente aqui embaixo, o que tem feito para ter uma alimentação mais equilibrada e prazerosa?

  • Há quase 2 anos, eu publiquei um vídeo sobre Jejum Intermitente (JI) e sua possível relação com o emagrecimento, que é uma dúvida de muitas pessoas que leem informações de diversas fontes pela internet, e isso gerou bastante polêmica, pois fui contra a adoção dessa prática. Veja o vídeo aqui: ttps://youtu.be/vc93mOpOKRs
    É fato que várias pessoas que experimentaram o JI sentiram alguns benefícios dessa prática, muitas comentaram no meu vídeo sobre a melhora que tiveram na saúde. No entanto, minha posição é pautada na ciência – a qual ainda apresenta dados insuficientes para afirmar a segurança e os benefícios do JI – e, por isso, permaneço firme no que disse no vídeo e acho interessante mostrar ele de novo hoje.
    A Associação Brasileira de Nutrição (ASBRAN) também publicou um parecer sobre JI, em fevereiro deste ano, afirmando que é necessário se ter cautela com as afirmações sobre os benefícios do JI.
    Em minhas experiências como Nutricionista clínica, percebo que os mesmos benéficos relatados por pessoas que praticam o JI são vistos no meu consultório. Ao haver melhora na rotina e autorização para se comer de tudo, os pacientes sentem benefícios e não precisam do JI para isso, ou seja, o foco está na rotina alimentar e na relação com a comida.
    Além disso, existem pessoas que praticam o JI aliado a uma alimentação low carb, algo que, inclusive, vejo muito em minhas consultas, e isso é um potente despertador de transtornos alimentares. A minha orientação é: Faça as pazes com a comida e seu corpo! Esse é o caminho mais sustentável e saudável para você seguir 😉
    Sophie

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *