[addthis tool="addthis_inline_share_toolbox_tjqy"]

coaching nutricional

O que é coaching nutricional? Nutricoach? Coach em nutrição?

O coaching (treinamento) é uma estratégia para desenvolvimento de habilidades e competências que tem sido bastante utilizada atualmente. Parece ter origem nos esportes e logo foi inserida no mundo empresarial, mas sua metodologia pode ser adaptada e aplicada em diversas outras áreas.

Mais recentemente sua utilização por profissionais de saúde, incluindo os nutricionistas, ganhou importância. Ouve-se falar, entre outras variações, de coach de saúde e bem-estar, coaching nutricional, coaching em nutrição e nutricoach.

Esses termos se popularizaram e podem gerar confusão e até mesmo polêmicas na área da Saúde e da Nutrição, por isso é importante entender bem sua definição e aplicação pelos profissionais para atuar de forma adequada.

Vamos comigo entender melhor esses termos?

Nutricionista x coach em nutrição

Os nutricionistas são profissionais formados em cursos de graduação de instituições de ensino superior. Devem apresentar uma formação generalista, humanista e crítica e atuar na busca da melhoria da qualidade de vida através dos conhecimentos sobre alimentação e nutrição.

O coach em nutrição ou coach nutricional são termos que se popularizaram, mas não são encontrados em literaturas de referências. No entanto, podem ser vistos como coachs em saúde, definidos como profissionais com formação na área da saúde (nutricionista, educador físico, médico, fisioterapeuta, etc.) que também apresentam alguma habilitação na área de coaching.

O coach em saúde atrela as ferramentas de coaching com sua formação profissional, com o intuito de apoiar os coachees (pacientes ou clientes que buscam o processo de coaching) a atingir determinados objetivos que envolvem saúde e bem-estar.

Já o coaching em saúde refere-se ao processo centrado no paciente/cliente/coachee que buscam autonomia, reflexão e autoconhecimento no que envolve a saúde. Quando voltado para a Nutrição podemos chamar popularmente como coaching nutricional.

É importante lembrar que o coaching não deve acontecer com pessoas que estejam passando por alguma desordem clínica e não substitui um tratamento com profissionais de saúde especializados. Esse processo não trabalha questões mais específicas e é voltado para pessoas saudáveis e emocionalmente estáveis.

Enquanto isso, o nutricionista pode e deve atender pacientes que precisam de aconselhamento, acompanhamento e metas para tratar problemas de saúde e comportamentos disfuncionais.

Também é bom ter em mente que, apesar de os profissionais de saúde serem os mais indicados para atuarem como coaches de saúde, aqui no Brasil não temos regulamentação. Dessa forma, é importante apresentar informações sobre formação, certificações e estratégias utilizadas no atendimento.

Por que o coaching nutricional está sendo tão procurado?

A Nutrição surge a partir das ciências naturais (física, química, biologia) e tradicionalmente é uma área de conhecimento mais preocupada com o que se come e com os nutrientes. Mas como sabemos, uma alimentação equilibrada começa na cabeça e não no estômago e diversos aspectos (sociais, culturais, psicológicos e comportamentais) precisam ser levados em consideração.

Dessa forma, o tratamento nutricional mais difundido na prática dos nutricionistas é a prescrição de dietas.

Mesmo na tentativa de considerar a individualidade e sem dietas restritivas, esse modelo prescritivo ainda é muito focado no peso (perda ou ganho) e muitas vezes se mostram difíceis de seguir, sendo comum o abandono de um tratamento dietoterápico.

Com isso, vão surgindo novas abordagens, como a Nutrição Comportamental, que considera o acolhimento, a escuta, o comer consciente, a motivação do paciente, a construção de vínculos e tem a saúde (e não o peso) como foco das consultas.

Essas habilidades e ferramentas também estão muito presentes no coaching, que é um processo bastante preocupado com a comunicação e no não julgamento do paciente ou cliente. Nesse caso, não conseguir aderir a uma meta transforma-se em diálogo e reflexão sobre as dificuldades e soluções encontradas,, gerando adaptações dos objetivos ou novas metas.

3 ferramentas de coaching nutricional

O nutricionista, seja comportamental ou não, pode incluir ferramentas do coaching, sem necessariamente estar fazendo coaching. No meu consultório , por exemplo, faço uso de algumas delas, que ajudam a tornar o aconselhamento mais efetivo e centrado no paciente. Separei algumas para apresentar a vocês, vamos conhecê-las?

Metas

Uma orientação baseada em metas pode proporcionar maior autonomia do paciente e diálogo com o profissional. Assim também fica mais fácil trabalhar a motivação, pois as pessoas se sentem mais dispostas a mudar quando percebem que existe um propósito ou necessidade.

As metas devem ser estabelecidas em conjunto e não definidas pelo profissional. Consumir mais alimentos in natura pode ser uma necessidade percebida por paciente e profissional. Nesse caso, uma meta poderia ser: “Ir a feira 1 vez por semana e consumir legumes em uma refeição do dia”. Mas isso vai depender da motivação e possibilidades de cada um.

É possível que o paciente esteja empolgado e deseje mudar tudo de uma vez, mas as metas devem ser realistas e graduais. O profissional atua como facilitador e deve dar orientações nesse sentido.

Modelo transteórico

E por falar em mudar, o modelo transteórico é uma ferramenta que pode nos ajudar a identificar quão motivado e disposto a mudanças está o paciente. Esse modelo é baseado em 5 estágios:

  1. Pré-contemplação: Aqui não existe consciência sobre o problema e a mudança de hábitos não é considerada.
  2. Contemplação: A mudança de comportamento é considerada e percebida como necessária, mas ainda não foi estabelecido um prazo para colocar os planos em prática.
  3. Preparação: A pessoas tem a pretensão de alterar seu comportamento em breve. Pequenas mudanças já estão sendo realizadas e ela tem um plano de metas.
  4. Ação: Nesse momento ocorreram dificuldades foram superadas e ocorreram, de fato, mudanças comportamentais.
  5. Manutenção: O comportamento foi modificado há algum tempo (6 meses, por exemplo) e nesse momento o foco é prevenir a volta a estágios anteriores.

Como colocar o coaching nutricional em prática?

Se você tem interesse em coaching nutricional e quer um acompanhamento mais próximo para colocar o coaching nutricional em prática, eu tenho uma boa notícia para você.

Após muitos pedidos de profissionais de saúde que entraram em contato comigo, criei o curso presencial Método Sophie.

Depois de escrever  “O Peso das Dietas”, notei uma necessidade de colegas da área de se atualizarem  na ciência da Nutrição em relação ao peso, obesidade e transtornos alimentares, além da área comportamental – algo que ainda não é estudado nas faculdades.

O meu objetivo é apresentar uma Nutrição com Ciência e Consciência e fornecer ferramentas para um atendimento mais personalizado e humanizado, com foco na mudança do comportamento e na construção de uma relação mais saudável com a comida.

A propósito, tive a honra de formar centenas de profissionais de saúde em mais de 20 estados pelo Brasil, entre nutricionistas, médicos e psicólogos.

Veja o que eles acham da minha metodologia:

Se você se identifica com essa linha de trabalho, não deixe de conferir mais informações sobre este curso, clique abaixo e saiba mais:

→ Saiba mais informações sobre o curso presencial !←

Referências

Se gostou deste artigo sobre coaching nutricional, provavelmente vai adorar ler estes posts que separei para você:

  1. Nutrição comportamental: curso online vale o investimento?
  2. Em dúvida? Saiba tudo sobre a faculdade de nutrição
  3. Saiba como procurar as melhores faculdades de nutrição: olhe 5 critérios

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *